DESLOCALOZACAO COM CRIANCA MENORES

Florida Estatuto 61.13001, deslocalização é definida como o movimento pelo menos 50 milas do seu local atual do princípio residência. Assim, um movimento de Orlando outro lugar mais de 50 milas em distancia como Molbourne ou Tampa qualificam como deslocalização. Se você quer mudra se mais de 50 milas e levar a sua pequena criança com você, então você está removendo a criança menor da jurisdição. Ambos os pais podem voluntariamente entrar em um acordo por si mesmos, que permite a transferência de um dos pais da jurisdição, tendo a criança com eles. Se isso não for viável, então, o tribunal está autorizado a conceder uma autorização para a retirada de uma criança menor de a jurisdição. Para determiner se e posivel deslocalizar com o menor, o tribunal considera os seguintes fatores:

(A) a natureza, qualidade e grau de envolvimento, e a duração da relação da criança com os pais propõe a transferir com a criança e com a mae ou pai que nao vai deslocalizar, e a natureza e qualidade de outras pessoas, irmãos, meio-irmãos e outras pessoas significativas na vida da criança.

(B) a idade e fase de desenvolvimento da criança, as necessidades da criança, e o provável impacto da deslocalização terá sobre o físico da criança, educação e desenvolvimento emocional, levando-se em consideração as necessidades especiais da criança.

(C) a possibilidade de preservar o relacionamento entre o pai que nao vao deslocalizar e a criança por meio mecanismos alternativos que levam em consideração a logística de contato, acesso e compartilhamento de tempo, bem como a situação financeira das partes; se esses fatores são suficientes para promover uma contínua relação significativa entre a criança e o pai que nao vao deslocalizar ou por qualquer outra pessoa; e a probabilidade de cumprimento com o substituto modalidades pelo reposicionamento dos pais ou outra pessoa uma vez que ele ou ela está fora da jurisdição do tribunal.

(D) a preferência da criança, levando-se em consideração a idade e maturidade da criança.

(E) o fato de que a mudança vai melhorar a qualidade de vida de uma maneira geral para ambos os pais e a criança, incluindo, mas não limitado a, financeiros ou benefícios emocionais ou as oportunidades educacionais.

(F) as razões pelas quais cada um dos pais está buscando ou opor-se a deslocalização.

(G) o emprego atual e das condições económicas de cada um dos pais e se a relocação proposta é necessário para melhorar a situação económica do pai que procuram a relocação da criança.

(H) que a transferência seja solicitada, de boa-fé e a medida em que o pai que esta recusar tiver cumprido as suas obrigações financeiras com o pai que buscam realocação, incluindo apoio à criança, suporte, e bens de consumo e as obrigações de dívida civil.

(I) a carreira e outras oportunidades disponíveis para o pai que esta recusar se a transferência ocorrer.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *